[:en]

…Enchantment when you say goodbye. (lyrics from a famous fado song)

As the song tells us. Though shy, Coimbra starts to reveal itself in small steps as soon as we arrive.

Universidade de Coimbra

(Imagem: Isabel Bernardo, Fora da Rota Tours)

At a first glance, the University is the queen and  the life around it. The exams, the student costumes, the music and tradition. Coimbra is just a passage for many who come here to study. Many of them are not only from Portugal but also from many other countries connected to the Lusophone world.

It is the remembrance from who takes it in its heart and never comes back. It leaves saudade (Portuguese word for nostalgia) and the tinkle sound of its melodic song. The guitar as its voice.

Its streets reveal something else. The alleys and buildings are clinged to the past, but with a strong will to change. The rebellious walls speak and the streets whisper stories about revolution, felt words, past loves. Just pay attention to them. Stop and notice what they tell you. It is just a question of paying attention and they will tell more secrets well kept in hidden corners.

Coimbra - Pelas ruas da cidade

(Imagem: Isabel Bernardo, Fora da Rota Tours)

Enchanted Coimbra, full of life and grace. Poet’s muse. Sung Poetry.

Ó coimbra do mondego

E dos amores que eu lá tive

Quem te não viu anda cego
Quem te não amar não vive

Quem te não viu anda cego
Quem te não amar não vive

Do choupal até à lapa
Foi coimbra os meus amores
A sombra da minha capa
Deu no chão, abriu em flores.

Saudades de Coimbra, Zeca Afonso

[:pt]

…Encanto na hora da despedida.

Tal como diz a canção. Mas julgo que o encanto ainda tímido da cidade começa a revelar-se aos poucos assim que chegamos.

Universidade de Coimbra

(Imagem: Isabel Bernardo, Fora da Rota Tours)

Num primeiro olhar a Universidade é quem reina e a vida à volta dela. Os exames, o traje, a música e a tradição. Coimbra é apenas uma passagem para muitos que vêem aqui estudar. Muitos deles não só de Portugal como também de muitos países ligados à lusofonia.

No fim,  fica a lembrança  para quem a transporta no coração e já não volta. Deixa pela cidade a saudade e o tilintar da sua canção melódica. Tem como a  guitarra  a sua voz.

Mas as suas ruas revelam muito mais. Ruelas e edifícios agarrados a um passado, mas com vontade de mudança. As paredes falam contestatárias e as ruas sussurram histórias de revoluções, de palavras sentidas, de amores passados. É uma questão de estarmos atentos. Parem, observem e elas contam-vos muitos segredos guardados em cada esquina…

Coimbra - Pelas Ruas da Cidade

(Imagem: Isabel Bernardo, Fora da Rota Tours)

Coimbra dos encantos  cheia de vida e de graça. A musa de poetas. A Poesia cantada.

Ó coimbra do mondego

E dos amores que eu lá tive

Quem te não viu anda cego
Quem te não amar não vive

Quem te não viu anda cego
Quem te não amar não vive

Do choupal até à lapa
Foi coimbra os meus amores
A sombra da minha capa
Deu no chão, abriu em flores.

Saudades de Coimbra, Zeca Afonso

[:]

Isabel Bernardo
Isabel Bernardo
Nascida e criada em Lisboa, tem a literatura, línguas e turismo como formação e um carinho especial pelo património, história, escrita e música. Entra nesta aventura, pelo gosto que tem em construir historias e passeios e pelo contacto com as pessoas. Fora da Rota é isso mesmo! Uma viagem enriquecedora entre amigos, mostrando os encantos de Portugal!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *