Muitas pessoas ficam demasiado ansiosas por servir o doce néctar nos copos e provar o seu sabor, do que parar para pensar sobre a primeira coisa que encontram quando abrem a garrafa de vinho…

A rolha de cortiça

exemplo: (Imagem: Ioana Bota, Fora da Rota)

Imagem: Ioana Bota, Fora da Rota

Uma pequena peça de madeira esponjosa que serve para selar e manter o vinho fresco. Mas a cortiça é muito mais do que isso. Tem uma história e uma origem de há muitos anos. Nas terras áridas do Alentejo, Portugal, há hectares de sobreiros a crescer livremente sob o sol abrasador. E em cada verão, durante os dias mais quentes dos meses de junho, julho e agosto, há trabalhadores especializados que se juntam nos sobrais para descortiçar as árvores. O processo demora à volta de 15 dias e tem de ser feito de forma muito rigorosa, pois o sobreiro é uma criatura frágil. O primeiro corte é o mais importante, pois poderá estragar a árvore para sempre e, por isso, apenas os homens mais experientes podem fazer este trabalho. Depois de retirar a cortiça de cada árvore, estas são marcadas com números representando o ano em que elas foram descortiçadas. Isso acontece para que os agricultores saibam que a árvore precisa de um período de descanso agora. E este período não é nada breve. Para cada árvore são necessários 10 anos para voltar a crescer a sua casca e, mesmo assim, há pessoas que impedem isso, roubando a cortiça antes da altura devida.
No final do processo, juntam a cortiça e deixam-na secar durante 20 dias, em que cada altura o agricultor vai fazer o seu trabalho habitual. A casca bem cortada está desta forma preparada para ir para as fábricas que irão transformar o material em bruto em diferentes rolhas de champanhe, vinho ou objetos diversos, dependendo da qualidade da cortiça, a sua forma e espessura.
Desta forma, a próxima vez que abrir uma garrafa de vinho, pare por um momento e pense acerca das pequenas peças de madeira que segura entre os seus dedos. Leva 10 anos a crescer, um dia para ser cortada e vendida. Para beber o vinho, acabado de sair da garrafa.
E se tiver algum tempo entre nesta aventura maravilhosa para o Alentejo para ver os sobrais.
E quem sabe? Talvez iniciará a sua busca para também salvar o Miguel.  :)


Texto: Ioana Bota
Tradução: Isabel Bernardo

Fora da Rota
Fora da Rota
O projeto chamado Fora da Rota Tours foi idealizado por três jovens apaixonadas por viagens e, além de percursos alternativos cheios de aventura, irá abordar também lugares e rotas com ligação a lusofonia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *