Esta é a história de um romance gastronómico entre uma mesa natalícia em Portugal e o bacalhau das terras frias do norte. Tendo em conta que este peixe se apanha nas águas geladas da Noruega ou da Terra Nova, este amor incondicional pode ter quilómetros de distância, mas tem se mantido há muitos séculos. O bacalhau come-se durante o ano todo e por cá até se diz que existem 1001 maneiras criativas de o cozinhar. Chega o Natal, mais precisamente na noite da consoada e entra à mesa como o rei da festa. Vamos conhecer a história deste romance?

O bacalhau pesca-se bem a norte, nas àguas frias da Terra Nova ou Gronelândia e Portugal fica mais a sul, a uns bons quilómetros de distância. Apesar da lonjura, este amor gastronómico dura há séculos. Os portugueses  são os que consomem mais este peixe, a nível mundial, e tudo por culpa dos Descobrimentos. Pensando bem, a utilização deste peixe como alimento usado durante as  aventuras marítimas por ser resistente quando secado, começou com os vikings. E quem sabe por cá se aprendeu com eles quando nos vieram visitar nas suas incursões a sul. Mais tarde, o bacalhau passou a ser comercializado pelos bascos que foram inovadores no processo de salga e secagem do peixe nas rochas, aumentando a sua conservação. Os vikings antes não conheciam o sal.

(Imagem: Reprodução Bacalhau da Noruega)

Imagem: Reprodução Bacalhau da Noruega

Os primeiros relatos deste processo de salga e secagem do bacalhau em Portugal remontam-se ao século XIV. Contudo, foi no século seguinte que os marinheiros portugueses o utilizaram como alimento perfeito para as suas longas viagens no mar. E assim, começou o romance. Os portugueses tornaram-se pioneiros na pesca do bacalhau na Terra Nova (Canadá) e rapidamente introduziram este peixe na cultural gastronómica nacional. Pela sua resistência e fácil conservação acabou por ser bastante popular e, carinhosamente, chamamos o peixe de nosso ”fiel amigo”, pois na falta de outras coisas em casa para comer, podemos sempre contar com o bacalhau.

E no Natal…

(Imagem: Reprodução Os Boemios)

Imagem: Reprodução Os Boemios

… não deixamos de convidar o nosso fiel amigo à mesa. Normalmente cozido, acompanhado com batatas e couves torna-se o rei  à mesa. Como o Natal é uma celebração cristã, a religio impunha o jejum e como tal, não se comia qualquer tipo de carne e o bacalhau foi, deste modo, o escolhido. Antes chega às nossas casas seco e salgado, fica uns tempos a receber mimos e cuidados, demolhado na água, por vários dias, para remover o sal e, depois, é cozido.

E a tradição portuguesa do bacalhau foi exportada além fronteiras. NoBrasil  é também convidado na noite de consoada, sendo uma iguaria bastante popular na gastronomia brasileira.

E já que estamos na época, a Fora da Rota Tours deseja-vos um Feliz Natal!